CELEBRÇÃO DOS 35 ANOS DO MARTIRIO DE CLEUSA

MÁRTIR DA CAUSA INDÍGENA

28 de abril – 2020

 Introdução

Queridas irmãs, no contexto do Ano Missionário da Congregação e da pandemia mundial, somos convidadas a fazer memória dos 35 anos do martírio da irmã Cleusa, pedir sua intercessão a Deus por toda a humanidade, afetada pela pandemia, e pela congregação.

Canto:  de Cleusa ou outro que a comunidade conhece

Lembrando sua vida

Cleusa expressava seu espírito de fé de maneira especial na oração; sua atitude e recolhimento na capela, chamava a atenção. Às vezes, passava mais tempo do que o estabelecido pelas constituições. Fomentava o silêncio, com o estilo de sua vida e convidava outras pessoas a vivê-lo.

A irmã Cleusa doou sua vida na Amazônia, que é o santuário da vida.  Nela habita uma infinidade de vida animal e vegetal. Suas múltiplas e incontáveis ​​cores, sua beleza é infinita, seu povo bonito e diversificado, seus rios são fonte de vida

Em meio a tanta beleza, estão presentes os interesses capitalistas que destroem a criação. O poder e o dinheiro compram tudo e matam a vida, com brutalidade.

Em uma de suas cartas a um padre amigo, Cleusa faz um grande lamento: “Estou escrevendo para você porque sei que você apoia a causa indígena. Em Lábrea, já não contamos com as autoridades: impera o capitalismo e o índio não tem voz nem vez. Já estou cansada de recorrer ao CIMI Norte I, sem resposta.” (Imã Cleusa)

 

SILÊNCIO:

 Infelizmente hoje continua o mesmo. O poder prevalece sobre os pequenos. Em nossos países, a vida dos pobres continua sendo ameaçada. No ano passado, o governo brasileiro apoiou a queima da floresta na Amazônia, causando um grande impacto no clima global.

Perdão Senhor, pelos pecados dos governantes que não defendem a vida.

O poder dominante transformou o Santuário da vida em uma casa de sofrimento e morte de muitos irmãos nossos; animais e vegetais. A vida na Amazônia continua sendo roubada pelo poder opressivo e explorador.

Senhor, perdão por todos os assassinos, que matam a vida de tantos irmãos que lutam para defender os direitos dos pobres e da Casa Comum.

 

BREVE SILÊNCIO e em seguida um canto de perdão

O Papa Francisco na Exortação Apostólica Pós-Sinodal ” Querida Amazônia” diz “que tudo o que a Igreja oferece deve ser encarnado de maneira original em todas as partes do mundo, de maneira que a Esposa de Cristo adquira rostos multiformes que manifestem melhor a inesgotável riqueza da graça. A pregação deve encarnar-se, a espiritualidade deve encarnar-se, as estruturas da Igreja devem encarnar-se.”

Nos projetos pastorais, Cleusa tinha um significado transcendental, ela os fazia em função do serviço à obra de Deus que não termina neste mundo, mas é projetado na eternidade; sua missão era clara: tornar o reino de Deus transparente. “É necessário que Ele reine!”

Agradecemos a Deus por nos ter dado a irmã Cleusa, uma mulher que viveu com sensibilidade as necessidades dos mais desfavorecidos e com muita clareza sua entrega à missão. Foi uma missionária com Espírito. Em sua vida reinava o amor, o respeito, a solidariedade, o silêncio, a busca constante de fazer a Vontade do Pai.

Peçamos ao Senhor por nós, Missionárias Agostinianas Recoletas, para que o testemunho de Cleusa nos ajude a contemplar nos pobres, o rosto de Cristo e a comprometer-nos na defesa de suas vidas.

 

R: Senhor dai-nos um coração sensível

“…Nosso ser missionário nos anima impulsiona ….ao anúncio explícito de Cristo, não há verdadeira evangelização enquanto não se anuncie o nome, a doutrina, a vida, as promessas, o reino, o mistério de Jesus de Nazaré, filho de Deus,” CC nº79

Cleusa, procurava, com interesse constante, que o Reino de Deus chegasse a todas as pessoas. Muitas vezes, estimulava a algum padre para organizar viagens a fim de atender algumas comunidades esquecidas, por ser de difícil acesso. Na Eucaristia e na preparação do sacramento da confissão, era uma animadora fervorosa. Ela não falava apenas do Reino de Deus, mas também dizia que a casa do Pai é a casa de todos os seus filhos, que eles tinham que viver como bons irmãos para entrar na casa do Pai.

Senhor, quantas vezes nosso ser missionário está cansado, desanimado, sem alegria … depositamos nossa confiança em nós mesmos, anunciamos a nós mesmas. Por intercessão da irmã Cleusa, te pedimos que nos ajudes a fazer a travessia de uma vida vazia, para uma vida cheia da graça de Deus, como Maria, a Mãe de teu filho, que sempre se adiantou para fazer a Vontade do Pai. Queremos neste ano missionário, abraçar corajosamente a missão do Reino de Deus sendo Missionárias com espírito, como sempre foi a irmã Cleusa. “É necessário que Ele Reine!”

 

Canto: Hino da Congregação

A sensibilidade ante as diferentes culturas para impregná-las de espírito evangélico. CC. 80

Cleusa consagrou sua vida a Deus e ao próximo. Sua vida de fé a levou a descobrir nos outros, especialmente nos necessitados, a figura de Cristo neles, e foi aí onde mais brilhou sua caridade. Sua maior paixão foi estender o Reino de Deus acima de tudo, mesmo enfrentando dificuldades e arriscando sua própria vida. “São orações, sim, que nos fazem falta para um seguimento mais radical ao Senhor”.  (Irmã Cleusa.)

Cleusa, você foi uma missionária profética; seu amor a Deus e aos irmãos foram a consequência do seu martírio. Hoje a Igreja precisa de mulheres – profetas como você. Interceda a Deus para que sejamos mulheres profetas da esperança, da justiça, da alegria e de uma vida digna para todos os seus filhos.

Senhor, obrigada pela presença de nossa congregação e sua dimensão missionária na Igreja.

O fato de se consagra-se ao Senhor pela profissão religiosa, tendo permanecido fiel até dar a sua vida pela causa dAquele a quem ela consagrou todo o seu ser, é a principal conquista da sua entrega incondicional. Ela foi muito clara na necessidade de fazer a vontade de Deus.

MANTRA: Aquele que te chamou, Aquele que te chamou é fiel, é fiel, fiel é fiel Aquele que te chamou.

Escutamos o grito dos povos da Amazônia:

“Estamos sendo ameaçados por madeireiros, fazendeiros e outros terceiros. Ameaçados por fatores econômicos que implementam um modelo alheio   em nossos territórios. As empresas madeireiras entram no território para explorar a floresta; nós cuidamos da floresta para nossos filhos, temos a carne, pesca, remédios de vegetais, árvores frutíferas […]. A construção de usinas hidrelétricas e o projeto hidrovias causam impacto aos rios e aos territórios […]. Somos uma região de territórios roubados »

Silêncio:

“Temos que construir fraternidade, é necessário, mas a justiça tem que estar na base de toda a convivência humana … Novas atitudes são necessárias e não apenas toques mágicos de palavras, que mudariam tudo de repente”. (Irmã Cleusa)

Nosso sonho é o de uma Amazônia que integre e promova todos os seus habitantes para que eles possam consolidar um “bom viver”. Mas é preciso um grito profético e uma tarefa árdua pelos mais pobres. Porque, embora a Amazônia enfrente um desastre ecológico, cabe destacar que «uma verdadeira proposta ecológica se converta sempre em uma proposta social, que deve integrar a justiça nas discussões sobre o meio ambiente, para ouvir tanto o clamor da terra quanto o clamor dos pobres ». Não nos serve um conservacionismo,” que se preocupa com o bioma, mas ignora os povos da Amazônia.” (Papa Francisco)

Cleusa era muito consciente dos direitos dos índios.  Exigia, ante os órgãos públicos e incentivava as comunidades indígenas a fazê-lo, para que, o que estava   escrito e aprovado passasse à prática. Ela trabalhava exigindo do Estado a devolução da terra aos índios, que desde tempos imemoriais lhes pertenciam. Ela tinha sua vida centrada em Deus. Nela brilhou, de maneira especial seu grande amor a Ele, manifestado em seu amor ao próximo.

Canto de Cleusa ou outro

Leitura do Evangelho de João 6,30 – 35

Reflexão:

* Que relação tem a vida da irmã Cleusa com o texto do Evangelho.

* Diz algo para nós …

* Descobrimos sinais que nos desafiam em nossa entrega hoje …

* Estamos dispostas a entregar a vida pelo Reino …

Pai Nosso dos Mártires (Letra e música: padre Cireneu Kuhn)

Pai Nosso dos pobres marginalizados!

Pai Nosso dos mártires dos torturados!

Teu nome é santificado naqueles que morrem defendendo a vida! Teu nome e glorificado quando a justiça e nossa medida. Teu Reino é de liberdade, de fraternidade paz e comunhão. Maldita toda violência que devora a vida pela repressão!

Queremos fazer tua vontade, és o verdadeiro Deus libertador! Não vamos seguir as doutrinas corrompidas pelo

Poder opressor. Pedimos-te o Pão da vida, o pão da segurança, o pão das multidões, o pão que traz humanidade, que constrói o homem em vez de canhões.

Perdoa-nos quando por medo ficamos calados diante da morte. Perdoa e destrói os reinos em que a corrupção é e lei mais forte! Protege-nos da crueldade, do Esquadrão da Morte, dos prevalecidos! Pai Nosso revolucionário, parceiro dos pobres, Deus dos oprimidos!

 

 

Oração de Cleusa pela Congregação

Oh, Deus que quereis que todos os homes se salvem e cheguem a conhecimento da Verdade, pedimos-vos que nos ajudeis a ser testemunhas de Jesus Cristo, com toda liberdade, come fez vossa seva, Irmã Cleusa une derramou seu sangue em favor da justiça e da paz. Concedei-nos a graça de… que com fé lhe pedimos para que se faça presente em todo o mundo, vosso Reino de justiça, paz e amor…Por Jesus Cristo nosso Senhor, Amém.

ORAÇÃO DE INTERCESSÃO ANTE A CRISE DA PANDEMIA

Oração: «Deus Pai todo poderoso e misericordioso, criador do mundo, que por nosso amor enviaste teu Filho ao mundo como médico de almas e corpos: olha a teus filhos que, neste difícil momento de desconcerto e consternação em muitas regiões do mundo inteiro recorrem a Ti em busca de fortaleza, salvação e alivio.

Livra-nos da enfermidade e do medo, cura nossos enfermos consola suas famílias, dá sabedoria a nossos governantes, energia e recompensa aos médicos, enfermeiras e voluntários, e a vida eterna aos falecidos. Não nos abandones no momento da prova livra-nos de todo mal”.

 

Canto final de Cleusa ou outro